Pateta Poeta

Não gosto muito de poesia
Sentimentos estúpidos, em ávida rebeldia
Invadem o papel – tamanha insensatez!
Pensa o poeta, talvez,
Tornar bela a melancolia
Quando não há beleza alguma na estupidez.

Não me fio nessa coisa de estrofe
Julgam seus artistas, boa estética?
Ou justificam pela tal métrica?
Pois não hesito: que arte pobre!

Não entendo muito de versos
Quando o pensamento desliza de bom grado
De repente,
é quebrado
E o palavrório segue disperso.

Não tenho paciência com rimas
Que falência, tentar fazê-las de obra-prima!
Não vejo, afinal, a utilidade que aí se aglutina
Oras… por que terminar igual as palavras acima?

Pois perdôo por cada patética aliteração
Peço apenas que parem com persistente repetição.

E, por favor, nada de inventismo
Odeio neologismos!

Será que a poesia tem consciência de si?
Com artimanhas várias, aonde deseja ir?

Quando fala de si mesmo, em campo vasto
O poeta emoldura-se em um retrato gasto
Posto que ao mesmo tempo que mostra, esconde
Perde-se em metáforas sujas, só ele sabe onde.

E se confere vida à patetice da metalingüagem
Desvelando, do coração poético, tal imagem
Talvez seja porque não exista nada mais metalingüístico e pateta
Do que o coração de um poeta!

 

O amigo Bruno Silva transformou isso aqui em Leitura Sonora. Confira!

Entre a rosa e a espada

E quando à noite me escapa o sono, mil pensamentos vêm a galope sobre minha mente embriagada. De elmos postos e espadas empunhadas, uma guerra travam entre si.

Acompanho a habilidade dos seus golpes, e vejo o sangue que escorre pelo chão. Não há lutas sem perdas, e é na perda que reside a dor.

Isso traz ao meu paladar o sabor que tem os tempos de paz. Todos sentados em torno de uma fogueira, cantando cantigas de grandes feitos heroicos. Em dias de festa, enfeitavam os cabelos com fitas, tomavam cálices de vinhos e oravam a Deusa. Transitava-se sossegadamente entre Consciência e Coração.

Mas eis que desperto do meu devaneio, e caio bruscamente no campo de batalha. A luta continua – cada qual buscando chegar ao posto de vencedor. (Deixará de ser então um mero pensamento?).

Ergo-me ao horizonte. Uma tímida luz revela-se ao longe. Seduz-me a tentação de decifrá-la. Será o brilho de uma fogueira chamando os guerreiros para um novo tempo de paz? Será o reflexo de uma espada em um conflito futuro? Será o brilho dos olhos de quem não mais sou capaz de afirmar a existência, mas que ainda assim olha por mim?
E a resposta para tal indagação jamais irei saber, assim como o último sobrevivente da desgastante guerra. Minhas pálpebras latejam, meu corpo cede ao cansaço. Adormeço em meio às brumas.

 

Texto originalmente publicado no site Revertério.