Dessa vez

Você não voltou, como das outras vezes. Atirei todas aquelas palavras duras feito pedras e encarei ousada  os seus olhos de vidro estilhaçado. Alguns cacos rebateram direto em meu peito, mas contive a dor e aguardei a porta se fechar para chorar silenciosa. Prendi a respiração até o som dos seus passos virar a esquina. […]

Continue lendo →

O que tu não sabe, morena

Sabe, morena, confesso que fiquei surpreso com a tua reaparição. (Confesso também que o meu coração disparou quando vi os teus cabelos longos sacudindo ao longe, naquele gingado que é só teu…) Andei pensando, não tem muito sentido você admitir agora que fez besteira. Você faz isso desde o dia em que eu te conheci, […]

Continue lendo →