A guardiã de estrelas

Não foi preciso ouvir as três batidas intervaladas na madeira oca da janela, confome o combinado, para saber que ela chegara. O som abafado de passos na terra macia e o cheiro de âmbar trazido pela brisa noturna lhe denunciou aos meus sentidos atentos. Levantei tateando a lamparina na cabeceira na cama. Ao primeiro fio de […]

Continue lendo →

Chamas e retratos

Desde criança, uma das coisas a que mais se apegara ali era uma enorme estante onde repousavam dezenas de porta-retratos. Deles saltavam sorrisos vários, uns bastantes longínquos, bem faceiros; outros desbotados, que nem sorriam mais. A cada vez que a família aumentava, um novo porta-retratos passava a sorrir da estante. Apesar de já conhecê-los de […]

Continue lendo →