O orçamento de uma espera

Desculpa, amigo, mas eu não gosto de esperar. Então, por favor, tira essa música irritante da linha e fala logo o valor do orçamento que eu pedi há três dias. Já se passaram cinco minutos e meio e eu continuo vigiando o relógio. Nesse exato momento, estou respirando fundo, procurando não imaginar que você está enchendo o terceiro copo de chá de goiaba do dia enquanto ri da piada do careca do depósito. E eu continuo aqui, ouvindo algo que me lembra muito a melodia daqueles cartões de Natal cafonas. Ainda existe aquilo? Eu poderia perguntar, caso você voltasse para o telefone. Mas ainda estou aguardando o seu chá com aparência de água suja acabar.

Olha, amigo, na verdade eu não nasci para esperar por ninguém. Não me venha com essa piada tosca de que eu precisei ficar nove meses na barriga da minha mãe. Olha só: eu já estou no mundo e não dependo de minha mãe para mais nada, muito menos do seu cordão umbilical. Pago todas as minhas contas, amigo, e isso não é fácil. Como não é fácil minha tarde de trabalho ficar pendente por causa da porra dos três números que insisto para você me falar. Você já deve ter feito orçamentos de adesivo para placas 1,20 x 1,33 centenas de vezes na vida, não é mesmo? Então, qual é o seu problema?

Pra ser extremamente sincera, amigo, eu odeio esperar. Odeio. Filas, pontos de ônibus e consultórios médicos me cansam. Bebo o café enquanto ainda está quente e termino a caipirinha antes de o gelo derreter. Esperar deixa tudo morno e sem graça. Frio na barriga tem data de validade, e quando ela chega, não adianta insistir. Suspense até que é bom, mas depois do seu frágil limite, vem a indiferença. E não se engane, existe a hora em que o único a vibrar com aquela SMS será o celular. Apenas.

E pra não me chamar de exagerada, só há uma coisa que inevitavelmente eu espero: o quinto dia útil do mês.  Todo o resto, meu amigo, eu me policio constantemente para não criar expectativas. Sabe como é, não tenho mais idade pra ficar choramingando porque ganhei um par de meias em vez de uma boneca no meu aniversário. Além disso, nosso tempo é muito preciso pra ser jogado fora enquanto se aguarda coisas que talvez nunca virão.  Pensa bem: se um simples adesivo com cerca de um metro e meio quadrado já custa três dígitos, imagine o quanto valem os meus dias esperando esse orçamento?

Sou dessas mesmo. Não faço orações e nem anseio por milagres. Não sonho acordada e nem aguardo mudanças nos outros. De verdade, não vou esperar você dizer o que eu quero ouvir. Não vou esperar ouvir verdade no que você disser. Não confio que algo ou alguém diferente aconteça. Aliás, ultimamente, não espero nem mesmo achar dinheiro perdido no bolso da calça.

– 124 reais.

– 124, jura? O máximo que eu já achei foi 30!

– Senhora? Fica por 124 reais a adesivagem da placa.

– Ahh, sim. Er… Claro. Vou levar para aprovação. Obrigada.

Tu tu tu tu tu…

Puta merda! Que susto. O coração ainda ta acelerado. Quer saber? Bom mesmo é ser surpreendido com coisas boas quando menos se espera.

 

Imagem: reprodução.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *