Diálogos com Seu Moço XII

Seu Moço, não me traz a expectativa de mais um happy hour em outra sexta-feira. Isso mesmo: não me traz. Eu ando ficando velha demais pra toda essa besteira de planos tão rasos. Copo cheio de cerveja ainda é uma das minhas melhores companhias, é verdade. Mas a validade dos sonhos engolidos ao fim de cada noite tem me falado que preciso de algo mais forte. Uma ou duas doses de algo assim duro feito concreto, que alicerce a vida e me faça crer que, decerto, existe algo em construção nessa simplória sucessão de dias. Quem sabe isso me alivia o deserto que cresce aqui no peito a cada conclusão de ciclo vazia.

Talvez a gente faça pouco esforço pra tanta promessa. Talvez o tempo caminhe em seu tempo e a gente tenha pressa. Talvez a vida sempre foi isso mesmo e esqueceram de nos contar… deixaram a gente sonhar que tudo nos era possível. Agora, no horizonte, apenas o cansaço rotineiro é visível. Mas vamos deixar essa conversa pra depois, Seu Moço. Falei tanto que quase não te ouço anunciar que, de repente, chegou ao fim mais um expediente.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *