Continua, menina

Não te desespera, menina. E nem tenha pressa, que a vida é caminho de imensidão e escolha em encruzilhada, é horizonte a se perder de vista e desencontro de estrada. No meio de tanto chão, até a dor tem o seu trecho. Se a sola do sapato não aguentar, caminha descalça mesmo. Desenha teus passos com sangue se preciso for – te garanto que lá na frente as cores impressas na terra farão sentido. Coleciona teus calos e teus choros calados, teus gritos de angústia e teu silêncio engasgado. Só não para de andar, menina. Você é completa demais pra se permitir desistir.

Não perca a fé, menina. Principalmente a fé em você mesma. Não deixe que ninguém te faça duvidar de que você é capaz. Sempre que mergulhar na escuridão, e o peito começar a doer, lembre-se de todas as vezes em que você acreditou que iria sufocar e, em vez disso, superou. Não deixe a maldade te confundir. Quando o egoísmo e o desamor te abrirem feridas, carrega elas como a certeza de que o caminho oposto que você escolheu é mesmo o caminho certo. Não te envergonha das tuas cicatrizes. Elas são provas de que as tempestades passam e, no fim, a gente sobrevive.

Não te diminui, menina. Não deixe que o tempo que você passou se envergando pra caber em algumas convivências te faça esquecer o teu real tamanho. Se alguém te fez acreditar que você era um pouco menor que isso, eu vou fazer questão de te lembrar, todos os dias, das virtudes incríveis que você possui. E dizer com a maior pureza de sinceridade que a beleza que te habita o peito é tão fascinante que torna a tua imagem apenas um detalhe pra fazer os olhos sorrirem. Te ergue, menina. Eu sei que que nem você mesma tem noção da tua altura. Mas, para quem está ao teu lado, tua sombra é caminho de inspiração.

Não te acomoda, menina. Não aceita nada que seja menor do que o tamanho dos teus sonhos. Eu te conheço o bastante pra saber que metades não te preenchem. Por isso, onde o melhor que puderem te oferecer ainda for pequeno demais pra você, não te demora – seja num emprego, num manequim ou num amor. Não perde teu tempo com o que não te serve. Em vez disso, canaliza tua energia onde ela nunca será em vão: em você mesma. Não tenha culpa por se colocar em primeiro lugar ao menos uma vez. Não tenha vergonha de se amar como você é. Você deve ser a sua melhor casa e melhor companhia, menina. E mesmo assim, se algo aí dentro não tiver te fazendo feliz, saiba que nunca é tarde pra mudar os móveis de lugar.

Não tenha medo de levantar e ir embora quando o preço pra ficar for alto demais. Recomeços são difíceis, a gente bem sabe. Mas é que no meio de tanto chão, até a dor tem seu trecho. E assim como a paisagem virando borrão na estrada, uma hora ela também passa. O que não pode passar é a tua vontade de seguir em frente. Só mais um passo. Só mais um dia. A vida é grande e tem o teu tamanho, menina. Continua.

[Este texto faz parte do projeto Cinco Lados e é baseado no tema “Conselhos que você daria a alguém”. Somos 5 escritores com o desafio de escrever sobre 15 temas diferentes. Acompanhe esta saga lendo as outras quatro faces desse projeto: Acenda Essa Luz, A Gangorra, Casa de Seu Frô e Parede de Sonhos.]

Comments

comments

Uma Resposta

  1. Esse texto é um daqueles que dá vontade de imprimir e colocar do lado da cama pra ler todo dia antes de levantar! Amei muito! De uma leveza que toca a gente… Obrigada por escrever! Um beijo, saudades

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *