Os cisnes de porcelana

O vidro da superfície plana era escuro, porém translúcido, o suficiente para revelar os largos azulejos marrons estendidos abaixo. Em cima da mesa estreita, um grande abajur de postura majestosa destoava de um simples cinzeiro branco. Nadando no vidro escuro, erguiam-se ainda três cisnes de porcelana. Eram mais negros que a água, cobertos por uma […]

Continue lendo →

Tudo velho de novo

Não houve mudança alguma após a queima de fogos. A vida continuou igual– o expediente retornou em alguns dias, a pilha de livros intocados ainda descansa sobre a prateleira e a roupa suja não deixou o cesto. Soletrar a contagem regressiva não soou como uma fórmula mágica. E quando o coro empolgado chegou ao 1, […]

Continue lendo →

Entreaberto

Quem convive estreitamente comigo sabe que eu tenho um vício quase doentio de manter gavetas e portas fechadas. Sabe quando o guarda-roupa fica entreaberto porque a manga de uma camisa ficou do lado de fora? Quando os compartimentos da cômoda dão uma emperrada? Ou a gaveta da escrivaninha não fecha por conta do excesso de […]

Continue lendo →